Skip to content

Para marcar o tempo [4]

Written by

Larissa Seixas

Hoje acordei cantando Desculpe o Auê e me consolei imaginando que tenho algo em comum com Ritinha. Foi ciúme, sim. Perdi a cabeça. Esqueça. E uma coisa me levou a outra: lembrei que Machadinho também era assim. Nunca erraram.

A CPI da COVID deve estar fazendo mesário e eu ainda não consigo assistir. Sou fraca, o mau-caratismo me causa repulsa. Me contorço toda só de ouvir a voz de quem defende Cloroquina, Ivermectina, etc. Mas fico agradecida por quem consegue e comenta no Twitter, porque essas pessoas eu consigo ler.

O mesmo acontece com as fofocas políticas. Hoje, no café da manhã, minha mãe me explicava que o posicionamento político de uma celebridade bolsonarista que estava provocando ótimas respostas de outras celebridades pró-vida. Óbvio que eu não quis assistir a idiota, mas li, sim, os comentários maravilhosos em voz alta.

Previous article

Para marcar o tempo [3]

Next article

Para marcar o tempo [5]

Join the discussion

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *