Skip to content

A escrita é o meu aborrecimento

Written by

Larissa Seixas

Nem todo mundo sente o prazer da leitura de um texto bem escrito. Digo isto por experiência própria. Só uma pessoa na minha família de quase cinquenta pessoas têm uma ligação com a palavra escrita assim como eu. Minha avó materna, noventa e dois anos, é uma leitora compulsiva. Foi ela quem me deu meu primeiro livro de presente. Ela também que me deu meu primeiro dicionário quando eu estava com dificuldade de escrever as redações do colégio. E ela, neste meu último aniversário, me deu o melhor livro da pilha de presentes: Grande Sertão Veredas.

Talvez por ter cuidado de mim na infância e me ensinado a gostar de estudar, minha avó virou uma personagem na minha primeira novela. A história contava a solidão de uma garota de catorze anos que não tinha amigos e vivia com a avó, porque tinha perdido os pais num acidente de avião. Meus pais estão vivos, eu tenho uma irmã mais nova que cresceu comigo, mas não sei porque sempre me vi como alguém sozinha acompanhada às vezes da avó. A história parecia um drama de John Green e por isso mesmo desisti de escrevê-la.

Eu tinha meio livro e não sabia como terminar. Achava que tudo estava muito piegas e acreditava que, por minha pouca experiência, não conseguiria terminar nada bom. Disse para mim mesma que só escreveria quando tivesse algo a dizer de verdade, e se isso só acontecesse após sessenta anos, que fosse. Mas não deu para esperar mais do que quinze. Hoje, mais por necessidade do que por paixão, me arrisco nuns contos fuleiros no Medium e continuo me odiando por isso.

A escrita deixou de ser uma companhia e passou a ser uma forma de conseguir seguir em frente. A autocrítica limitadora me fez escrever apenas o necessário para tirar as angústias do peito, e por isso, até tenho dificuldade de escrever quando estou feliz. Escrever uma piada, então, é praticamente impossível. O que é uma pena porque história sem um pouco de graça não tem açúcar, e eu amo doce. Meu sonho era escrever algo como Fleabag com piadas certeiras e um drama absurdo que faz a gente querer fechar a página para não ter que ler e voltar à página porque não consegue deixar o livro de lado. Mas eu não consigo nem tentar direito.

Na esperança de me obrigar a sair do lugar, neste ano de reclusão me inscrevi em diversos cursos de escrita para que fosse obrigada a reler e editar meus textos. No último curso de conto fiquei um mês sofrendo para entregar alguma coisa que preste. No entanto, após a surpresa do autocontrole por lidar com a avaliação de uma forma bem madura e desapegada, ignorei todas as notas do professor e dos outros alunos sobre meu texto final e ainda não fiz as alterações necessárias. Pensei em inscrever o conto em algum concurso, mas receio que ele não alcançará nem mesmo o triste fim do Medium.

Previous article

Léxico familiar em tempos de pandemia

Next article

O espaço de escrita de Woolf, Austen, Angelou, as Brontë e mais

Join the discussion

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *