Categorias
Crônicas

Para marcar o tempo [5]

Recebi um abraço frouxo quando precisava ser abotoada. Nesses dias de pandemia, não há muita gente com quem eu me arrisque. Mas a minha urgência foi desprezada e eu senti frio pela distância. Disso eu vou lembrar por algum tempo.

Recebi um abraço frouxo quando precisava ser abotoada. Nesses dias de pandemia, não há muita gente com quem eu me arrisque. Mas a minha urgência foi desprezada e eu senti frio pela distância. Disso eu vou lembrar por algum tempo.

Há dois dias peguei meus vizinhos saindo de uma casa em construção que não era deles. Lembrei que momentos antes tinham comentado como a minha estava ficando bonita e pensei: qual será a obra preferida? Acho que a verdade me causaria ciúmes.

Pepe tomou sua última vacina. Na consulta, a veterinária comentou que ele não deveria crescer tanto e aquilo era bom porque me custaria menos dinheiro para internações e cirurgias. Vira sua boca pra lá, sua maldita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *