Crônicas,  Política

No olho do furacão

Há alguns dias vivo com a eterna sensação de que recebi uma notícia ruim, causada principalmente pelo constante uso das redes sociais. Como vivo e trabalho com um celular na mão, o acompanhamento em tempo real da cobertura e memes das Eleições está minando a minha esperança no país e me deixando ansiosa e estressada.

Ao mesmo tempo que eu não aguento mais ouvir falar nas atualizações das pesquisas, outros temas que acompanho no Twitter e Instagram não me parecem tão importantes, paro e penso “que bobagem”. Mas essa falta de respiro da possível decepção de daquele-que-não-deve-ser-nomeado vencer está me fazendo mal.

O país está dividido em três, talvez quatro, grupos. PT, antiPT, aqueles que querem um novo que respeite os direitos humanos e os que não ligam para política/dormem tranquilos. Mas na minha bolha a maioria é gente preocupada com o que vai acontecer caso o monstro vença. A quantidade de notícias, videos e campanhas mostrando as insanidades que saem daquela cabeça e o conhecimento de que gente do meu lado (inclusive família e amigos) está disposta a dar o voto a ele, me deixa depressiva.

Leio depoimentos de gente que eu gosto se mostrando preconceituosa, homofóbica e cheia de ódio. Fico pensando que o Brasil é sim, um “reaça” e que essas pessoas devem usar uma máscara quando estão em sociedade pois escondem para si sentimentos de muita coisa ruim em relação a outros diferentes a eles. O grande púlpito da rede mundial de computadores os liberta, mas o ódio está tomando também as ruas.

Coloco aqui a publicação de @unicorrea nas redes sociais:

“Hoje fui agredida verbalmente na rua por um estranho na Av Consolação (até aí nenhuma novidade, já fui agredida fisicamente mais de uma vez). A novidade é que esse cara deixou claro que esperava ansiosamente pelo aval. Passou por mim e disse: “travesti de merda”. Eu perguntei qual era o problema e pq minha existência o afetava tão facilmente. Ele, já truculento, enfiou o dedo no meu rosto e respondeu aos gritos: “seus dias estão contados sua aberração, vamos aniquilar sua raça imunda”. Ainda não sei bem como me proteger e proteger quem passa pela mesma situação que eu todos os dias. Mas preciso pedir com todo amor e esperança que ainda tenho, pra todo mundo se unir e não votar nesse cara que impulsiona esse ódio todo, que só ganha mais força a cada dia. Eu já existo no país que mais mata o que sou, o que acontece se piorar? Dialoguem com suas famílias e amigos, por favor, não é justo, não é humano.

@unicorrea

Onde tudo isso vai nos levar? Qualquer resultado dessa eleição vai deixar uma maioria insatisfeita e dá muito medo imaginar o que está por vir. Se ganhar aquele-que-não-deve ser nomeado, uma onda de gente contra a ideologia dele deve ir às ruas (como as manifestações que acontecerão no próximo domingo, 29/09). Caso o PT saia vitorioso o futuro ainda será mais incerto, porque além da inconformação dos seguidores dele e de todos contra a manutenção do partido no poder, o candidato já deu a entender que qualquer resultado fora sua eleição será posto em cheque por fraude de urnas eletrônicas. Ele também vive numa bolha.

Faltam menos de duas semanas para o fatídico dia 07 de outubro. Eu aqui não sei como me preparar e diminuir a ansiedade. Só sei que vou sentar, colocar meu cinto de segurança e segurar na mão de quem estiver do lado. Você, se quiser segurar na minha mão, pode.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *